17 de novembro de 2011

Você sabe o que é sarcopenia?

A proporção de idosos na população brasileira tem aumentado nos últimos anos, seguindo a tendência de diversos países do mundo: estima-se que até 2025 a população de idosos aumente 200% nos países em desenvolvimento. Este fenômeno se deve a vários fatores como: aumento da expectativa de vida, relacionado a melhoria de alguns serviços (saúde, principalmente) e também a redução da natalidade (ou seja: atualmente as pessoas tem menos filhos do que no passado). Neste contexto, alguns problemas, típicos do envelhecimento passam a merecer ainda mais atenção.
Entre estes problemas, está a sarcopenia, que se trata da redução da massa e da força muscular em idosos. No entanto, alguns autores definem a sarcopenia como uma doença apenas quando ela está associada a alguma limitação funcional, isso por que naturalmente o ser humano tem uma certa redução de massa magra com o envelhecimento. Existem diversos fatores relacionados ao surgimento deste problema, desde sedentarismo a processos inflamatórios crônicos.
Mas estudos apontam que a prática de atividade física regular pode minimizar a diminuição da massa muscular que ocorre com a idade, prevenindo limitações que possam surgir. A alimentação também pode ser útil neste processo, pois estudos apontam que muitos idosos ingerem um quantidade de proteínas menor que o recomendado, o que poderia contribuir para a perda de massa magra (músculos).
Outro nutriente tem grande importância neste processo: a vitamina D, que auxilia na preservação da massa muscular e na captação de Cálcio pela membrana celular (o Cálcio está diretamente relacionado à contração muscular). Baixos níveis de vitamina D tem sido associados a incidência de sarcopenia e à dificuldade em atividades cotidianas como levantar de uma cadeira, por exemplo.
Mais uma vez, conclui-se que uma alimentação saudável e a prática de atividade física são fundamentais para se ter uma vida saudável, em qualquer fase da vida!

Fontes:
Silva e cols. Sarcopenia associada ao envelhecimento: aspectos etiológicos e opções terapêuticas. Rev Bras Reumatol, v. 46, n. 6, p. 391-397. nov/dez, 2006.

Nenhum comentário:

Postar um comentário